FÓRUM EVANGÉLICO
Paz do Senhor Jesus.

Por favor, cadastre-se e ajude-nos a manter uma boa colocação no google, espalhando com isso, o evangelho do Senhor Jesus, para juntos, mostrarmos que o verdadeiro evangelho, não se parece nem um pouco com o que vem ocorrendo hoje.

Toda Honra e Glória ao Senhor,
Equipe Apologética

A CRUZ DE CRISTO

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A CRUZ DE CRISTO

Mensagem  Equipe Apologética em Sex Dez 23, 2011 8:05 pm

Sermão pregado por Paul David Washer
retirado da revista HeartCry Maganize, Vol.55 , de outubro de 2007
tradução, revisão e capa: Beatriz Rustiguel da Silva
FONTE: Hemeneutica Particular




E, à hora nona, Jesus exclamou com grande voz,
dizendo: Eloí, Eloí, lamá sabactâni? que,
traduzido, é: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?
(Marcos 15:34)


Uma das minhas maiores preocupações é que a Cruz de Cristo é raramente explicada. Não é suficiente dizer que “Ele morreu” - porque todos os homens morrem. Não é suficiente dizer que “Ele teve uma morte nobre” – porque os mártires fazem o mesmo. Devemos entender que ainda não proclamamos plenamente a morte de Cristo, com poder salvador, até que tenhamos esclarecido todas as confusões que a rodeiam e tenhamos exposto o seu verdadeiro significado aos nossos ouvintes – Ele morreu carregando as transgressões do seu povo e sofreu a pena divina por seus pecados: Ele foi abandonado por Deus e esmagados sob a ira de Deus, em nosso lugar.


Abandonado por Deus
Uma das passagens mais perturbadoras, até mesmo assombrosas, das Escrituras é o registro de Marcos sobre o grande clamor do Messias quando Ele estava pendurado numa cruz romana. Em voz alta Ele gritou:

“Eloí, Eloí, lamá sabactâni? que, traduzido, é: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Marcos 15:34)

À luz do que sabemos sobre a natureza impecável do Filho de Deus e sua perfeita comunhão com o Pai, é difícil entender as palavras de Cristo, mas mesmo assim nelas encontramos o significado da Cruz, e encontramos a razão para a morte de Cristo. O fato de que Suas palavras também terem sido registradas na língua original, em hebraico, nos mostra o quando elas são importantes. O autor não quer que haja mal entendidos ou que qualquer coisa se perca.

Nestas palavras, Jesus não está apenas clamando a Deus, mas como um professor, Ele também está direcionando seus espectadores e todos os futuros leitores para uma das mais importantes profecias Messiânica do Antigo Testamento - Salmo 22. Apesar de todo o Salmo estar repleto de profecias detalhadas da Cruz, nós vamos nos preocupar apenas com os seis primeiros versos:

“DEUS meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que te alongas do meu auxílio e das palavras do meu bramido? Deus meu, eu clamo de dia, e tu não me ouves; de noite, e não tenho sossego. Porém tu és santo, tu que habitas entre os louvores de Israel.Em ti confiaram nossos pais; confiaram, e tu os livraste. A ti clamaram e escaparam; em ti confiaram, e não foram confundidos. Mas eu sou verme, e não homem, opróbrio dos homens e desprezado do povo.” (Salmo 22:1-6)

Nos dias de Cristo, as Escrituras Hebraicas não foram separadas números, capítulos e versículos como são hoje. Portanto, quando um rabino procurava dirigir os seus ouvintes a um salmo ou certa porção das Escrituras, ele iria fazê-lo recitando as primeiras linhas do texto. Neste grito da Cruz, Jesus dirige-nos ao Salmo 22 e nos revela algo do caráter e do propósito dos seus sofrimentos.

No primeiro e segundo verso, nós ouvimos a reclamação do Messias - Ele se considera abandonado por Deus. Marcos usa a palavra grega egkataleípo, o que significa abandonar, ou desertar. O salmista usou a palavra hebraica azab, que significa deixar, soltar ou abandonar. Em ambos os casos, a intenção é clara. O próprio Messias está consciente de que Deus o abandonou e que se fez de surdo ao seu clamor. Este não é um abandono simbólico ou poético. É real! Se houve uma criatura que alguma vez sentiu o abandono de Deus, essa criatura foi o Filho de Deus na cruz do Calvário!

No quarto e quinto versículo do Salmo, a angústia sofrida pelo Messias se torna mais aguda ao recordar a fidelidade do pacto de Deus para com seu povo. Ele declara:

“Em ti confiaram nossos pais; confiaram, e tu os livraste. A ti clamaram e escaparam; em ti confiaram, e não foram confundidos.”

A aparente contradição é clara. Nunca houve um só momento na história em que o povo da aliança de Deus houvesse visto um homem justo clamar a Deus e não ser resgatado. No entanto, o Messias imaculado está dependurado do madeiro completamente desamparado. Qual poderia ser a razão pelo desamparo de Deus? Por que virou as costas a Seu Filho unigênito?

Entrelaçadas no pranto do Messias se encontram as respostas a essas inquietantes perguntas. No terceiro versículo, Ele faz a inquebrantável declaração de que Deus é Santo, e logo, no sexto versículo, Ele admite a atrocidade – Ele tinha se convertido em um verme, e já não era um homem. Por que o Messias utilizaria tal linguagem pejorativa consigo mesmo? Acaso se enxergava a si mesmo como um verme porque tinha convertido-se em “opróbrio dos homens e desprezado do povo”, ou tinha uma razão mais espantosa para Sua auto-depreciação? Porque ele não clamou, “Deus meu, Deus meu, por que o povo me há desamparado?” Mas, ele se esforçou em saber por que Deus o tinha feito! A resposta pode ser encontrada em somente uma amarga verdade: o Senhor tinha feito com que toda a nossa iniquidade tivesse caido sobre Ele, e como um verme, Ele foi desamparado e moído em nosso lugar.

Essa metáfora sombria do Messias agonizante não está somente nessa porção das Escrituras. Existem outras que nos levam ainda mais fundo ao coração da Cruz e revela-nos que foi necessário que “Ele padeça muito” em ordem de obter a redenção de seu povo. Se trememos diante das palavras do Salmista, seremos ainda mais abatido ao ouvir o Filho de Deus, três vezes santo, converter-se na serpente levantada do deserto, e depois, no cordeiro expiatório que carregava o pecado e que era deixado para ir morrer sozinho.

A primeira metáfora se encontra em Números. Por causa da constante rebelião de Israel em relação a Deus e a rejeição de Sua provisão misericordiosa, o Senhor enviou “serpentes ardentes” entre o povo e muitos morreram. No entanto, como resultado do arrependimento do povo e da intercessão de Moisés, Deus mais uma vez deu provisão para sua salvação. Ele ordenou a Moisés: “Faze-te uma serpente ardente, e põe-na sobre uma haste; e será que viverá todo o que, tendo sido picado, olhar para ela.” (Números 21:Cool

A princípio parece contraditória a lógica que “a cura tivesse a semelhança daquele que havia ferido”. No entanto, ela provém uma poderosa imagem da cruz. Os israelitas estavam morrendo do veneno das serpentes ardentes. O homem morre do veneno de seu próprio pecado. A Moisés lhe havia sido ordenado colocar a causa da morte no alto em uma haste. Deus colocou a causa de nossa morte sobre Seu próprio Filho ao levantá-lo alto sobre a cruz. Ele tinha vindo “semelhança da carne do pecado” (Romanos 8:3), e foi feito “pecado por nós.” (2 Coríntios 5:21). Os israelitas que cressem em Deus e olhassem para a serpente de bronze viveriam. O homem que crê no testemunho de Deus em relação a Seu Filho e lhe vê com fé, será salvo. Como está escrito, “olhai para mim, e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro.” (Isaías 45:22)

A segunda metáfora encontra-se no livro sacerdotal de Levítico. Como era impossível que um só sacrifício ilustrasse ou simbolizasse completamente a morte expiatória do Messias, um sacrifício envolvendo dois cordeiros foi posto diante do povo. O primeiro cordeiro foi imolado como oferenda pelo pecado perante o Senhor, e seu sangue foi aspergido na frente do propiciatório da parte de trás do véu do santo do santos. Isso simbolizava a Cristo, que derramou Seu sangue na cruz para expiar pelos pecados de Seu povo. O segundo cordeiro era apresentado diante do Senhor como cordeiro expiatório. O Sumo sacerdote “porá ambas as suas mãos sobre a cabeça do bode vivo, e sobre ele confessará todas as iniquidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, e todos os seus pecados.” (Levítico 16:21) O cordeiro então era enviado ao deserto levando a iniquidade do povo a um lugar erro. Ali vagava sozinho, desamparado de Deus e cortado do meio do povo. Simbolizava a Cristo que “Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro” (1 Pedro 2:24) sofreu e morreu sozinho “fora do arraial.” O que era apenas simbólico na Lei se tornou em uma realidade excruciante para o Messias.

Não é assombroso que um verme, uma serpente venenosa, e um cordeiro sejam postos como símbolos de Cristo? Identificar o Filho de Deus com coisas “aborrecíveis” seria blasfemo se não viesse dos santos do Antigo Testamento “inspirados pelo Espírito Santo.” (2 Pedro 1:21) e confirmadas pelos autores do Novo Testamento que vão mais além nas sombrias descrições. Debaixo da inspiração do Espírito Santo eles são o suficientemente audazes para dizer que aquele que “não conheceu o pecado” “se tornou,” e Ele que foi amado do Pai foi “feito maldição” diante Dele. Temos escutado essas verdades antes, porém, será que nós as consideramos o suficiente para sermos quebrantados?

Na cruz, Ele que é declarado “santo, santo, santo” pelo coro dos serafins, se “fez” pecado. A viagem ao significado dessa frase quase parece ser muito perigosa para trilharmos. Tropeçamos diante do primeiro passo. O que significa que Aquele em quem “nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” (Colossenses 2:9), se “fez pecado”? Não devemos explicar ligeiramente a verdade tratando de proteger a reputação do Filho de Deus e ainda assim, também, devemos ter cuidado de não falar coisas terríveis contra seu caráter impecável e imutável.

Segundo as Escrituras Cristo se “fez pecado” na mesma forma em que os pecadores se “convertem na justiça de Deus” n’Ele. Na sua segunda epistolo à igreja de Coríntio o apóstolo Paulo escreve:

“Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus.” (2 Coríntios 5:21)

O crente não é “justiça de Deus” por alguma obra purificadora ou aperfeiçoadora no seu caráter que o faça ser igual a Deus e sem pecado, mas como resultado da imputação pela qual ele é considerado justo ante Deus pela obra de Cristo em seu favor. Da mesma maneira Cristo não se fez pecado por ter um caráter manchado ou sujo, e portanto tornando-se depravado, mas como resultado da imputação pelo que foi considerado culpável perante o juízo de Deus em nosso favor. Essa verdade, porém, não deve causar que pensemos menos da declaração de Paulo que Cristo se “fez pecado”, ainda que tenha sido uma culpa imputada, foi uma culpa real, trazendo uma inquietante culpa para Sua alma. Ele tomou nossas culpas como suas, esteve em nosso lugar, e morreu desamparado por Deus.

Que Cristo se fez pecado é uma verdade tão terrível quanto incompreensível, e mesmo assim, justamente quando pensamos que não se pode dizer palavras mais escuras contra Ele, o apóstolo Paulo acende uma lâmpada e nos leva mais ao fundo do abismo de humilhação e desamparo de Cristo. Entramos na caverna mais profunda para encontrar ao Filho de Deus pendurado na cruz e levando seu título mais infame – o maldito de Deus!

As Escrituras declaram que toda a humanidade está sob maldição. Como está escrito, “Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las.” (Gálatas 3:10) Desde a perspectiva celestial, aqueles que quebrantam a Lei de Deus são maus e dignos de aversão. São miseráveis, corretamente expostos à vingança divina, e justamente fadados à destruição eterna. Não é um exagero falar que a última coisa o pecador maldito ouvirá quando ele der o seu primeiro passo no inferno é toda a criação se pondo de pé e aplaudindo a Deus por ter livrado a terra de tal pecador. Tal é a maldade daqueles que quebram a Lei de Deus, e tal é o desdém do santo para com o ímpio. E ainda assim, o Evangelho nos ensina que “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro” (Gálatas 3:30). Cristo converteu-se no que nós éramos a fim de nos redimir do que merecíamos. Ele converteu-se em um verme, a serpente alçada no deserto, o cordeiro enviado fora do acampamento, o carregador de pecados, e Aquele sobre o qual a maldição de Deus caiu. É por essa razão que o Pai o rejeitou e todo o céu escondeu seu rosto.

É uma grande tragédia que o verdadeiro significado do “clamor da cruz” de Cristo frequentemente tenha se perdido em um clichê romântico. Não é raro ouvir a um pregador declarar que o Pai se afastou do Filho porque não conseguia testemunhar o sofrimento infligido pelas mãos de homens malvados. Tais interpretações são uma completa distorção do texto e do que atualmente transpirou na cruz. O Pai rejeitou a Seu Filho não porque lhe tenha faltado força para testemunhar seu sofrimento, mas sim porque “Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus.” (2 Coríntios 5:21) Ele colocou nossos pecados sobre Ele e lhe rechaçou porque Seus olhos são demasiadamente puros para aprovar o mal e não pode ver a maldade com favor.

Não é sem razão que muitos folhetos bíblicos ilustram um abismo entre um Deus santo e o homem pecador. Com tal ilustração as Escrituras estão completamente de acordo. Como o profeta Isaías clamou:

“Eis que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça.” (Isaías 59:1-2)

É por isso que todos os homens teriam vivido e morrido separados da favorável presença de Deus e debaixo da ira divina se o Filho de Deus não houvesse estado em seu lugar, levado o seu pecado, e morrido “desamparado de Deus” em favor deles. Para fechar a brecha e restaurar a comunhão, “não convinha que o Cristo padecesse estas coisas?” (Lucas 24:26)

Cristo morreu sob a ira de Deus
Para obter a salvação de Seu povo, Cristo não somente sofreu o terrível desamparo de Deus, mas Ele bebeu o amargo cálice da ira de Deus e morreu uma morte sangrenta em lugar de seu povo. Somente assim a justiça divina pode ser satisfeita, a ira de Deus apaziguada, e a reconciliação possível.

No jardim, Cristo orou três vezes para que “o cálice” fora removido d’Ele, mas todas as vezes a Sua vontade entregava-se a vontade do Pai. Devemos nos perguntar: o que continha nesse cálice para que fizesse com que Ele rogasse tão fervorosamente? O que continha no cálice para causar tal angústia que Seu suor se mesclasse com sangue? Frequentemente é dito que o cálice representava a cruel Cruz romana e a tortura física que lhe esperava – É dito que Cristo previu a ‘cauda de gato’ sendo usada em suas costas, as coroas de espinhas penetrando sua fronte, e os cravos atravessando Suas mãos e Seus pés. Ainda assim, aqueles que enxergam essas coisas como a fonte de Suas angústias não entendem a Cruz, nem o que ocorreu lá. Ainda que as torturas o cobrissem, pelas mãos humanas, elas faziam parte do plano redentor de Deus; Havia algo muito mais sinistro que evocou o clamor do Messias.

Nos primeiros séculos da igreja primitiva, milhares de cristãos morreram em cruzes. É dito que Nero os crucificava ao contrário, ele os cobria de alcatrão, e lhes ateava fogo para usar como luzeiros nas cidades de Roma. Através das épocas, desde então, um sem número de cristão foram levados às mais inquietantes torturas e, mesmo assim, é o testemunho de amigos e inimigos que muitos deles foram para a morte com grande coragem e ousadia. Será que devemos crer que os seguidores do Messias enfrentaram uma morte tão cruel com alegria, enquanto que o Capitão de sua Salvação se acovardou no jardim, com medo da mesma tortura? Acaso o Cristo de Deus temeu os chicotes e espinhos, cruzes e lanças, ou será que o cálice representava um terror infinitamente maior que a crueldade humana?

Para entender o conteúdo sinistro desse cálice, devemos nos dirigir às Escrituras. Existem duas passagens em particular que devemos considerar – uma nos salmos e a outra em Jeremias:

“Porque na mão do SENHOR há um cálice cujo vinho é tinto; está cheio de mistura; e dá a beber dele; mas as escórias dele todos os ímpios da terra as sorverão e beberão.” (Salmos 75:Cool

“Porque assim me disse o SENHOR Deus de Israel: Toma da minha mão este copo do vinho do furor, e darás a beber dele a todas as nações, às quais eu te enviarei. Para que bebam e tremam, e enlouqueçam, por causa da espada, que eu enviarei entre eles.” (Jeremias 25:15-16)

Como resultado da incessante rebeldia dos ímpios, a justiça de Deus havia decretado um juízo contra eles. Deus, justamente, derramaria sua indignação sobre as nações. Ele colocaria o cálice de vinho da Sua ira em suas bocas e forçaria-lhes a tomar até o fim. O simples pensamento de que tal destino espera o mundo é absolutamente terrível, e ainda assim esse teria sido o destino de todos, exceto que a misericórdia de Deus buscou a salvação do povo, e a sabedoria de Deus elaborou um plano de redenção ainda desde antes da fundação do mundo.

O Filho de Deus se faria homem e caminharia sobre a terra em perfeita obediência à Lei de Deus. Ele seria como nós em todos os sentidos, e tentado em todas as maneiras como nós, mas sem pecado. Ele viveria uma vida perfeitamente justa para glória de Deus e em lugar de Seu povo. Então, no tempo designado, Ele seria crucificado pelas mãos de homens ímpios, e naquela cruz, Ele levaria a culpa de Seu povo, e sofreria a ira de Deus contra eles. O perfeito Filho de Deus e verdadeiro Filho de Adão juntos em uma gloriosa pessoa tomaria o amargo cálice da mão do próprio Deus e o beberia até o fim. Ele o tomaria até que fora “consumado”, e a justiça de Deus fora completamente satisfeita. A ira divina que devia ter sido nossa seria exaurida sobre o Filho, e por Ele, seria extinta.

Imagine uma represa que está cheia até a borda e está sendo pressionada pelo o peso da água. De uma vez só o muro protetor é removido e o poder destrutivo é liberado. Com a certeira destruição indo diretamente até um vilareijo, localizado em um vale próximo, de repente a terra se abre e traga a água que causaria tamanho arrasado. Da mesma forma, o justo juízo de Deus corria em direção a cada homem. Não se podia achar escape na montanha mais alta nem no abismo mais profundo. Os pés mais velozes não poderiam escapar, nem o melhor nadador suportar sua maré. A represa foi rachada e nada poderia conserta seu dano. Porém, quando toda esperança humana foi esgotada, no tempo oportuno, o Filho de Deus se interpôs. Ele se colocou entre a justiça divina e a Sua gente. Ele tomou a ira que seu povo tinham provocado e o castigo que eles mereciam. Quando Ele morreu nem uma gota de ira restou. Ele a bebeu toda!

Imaginem duas pedras de moinho, uma girando sobre da outra. Imaginem que entre as pedras existe um grão de trigo que é esmagado pelo grande peso. Primeiro, é moído até ser irreconhecível, e depois suas partes internas são espalhadas e moídas até se tornarem pó. Não há qualquer esperança de reconstruí-lo. Tudo está perdido além de qualquer esperança. Assim, de igual maneira, “ao SENHOR agradou moê-lo” (Isaías 53:10), a Seu próprio Filho, e colocá-lo em indescritível angústia. Portanto, agradou ao Filho submeter-se a tal sofrimento a fim que Deus fosse glorificado e o povo redimido. Não é que Deus se tenha sentido prazer no sofrimento de Seu amado Filho, mas através de sua morte, a vontade de Deus se cumpriu. Nenhum outro meio tinha poder de remover o pecado, satisfazer a justiça, e apaziguar a ira de Deus contra nós. A menos que esse divino grão de trigo tivesse caído ao chão e morrido, haveria permanecido sozinho sem um povo ou uma noiva. O prazer não estava no sofrimento, mas em tudo o que o sofrimento conseguiria: Deus seria revelado em uma glória ainda desconhecida aos homens e anjos, e um povo seria trazido a uma relação sem obstáculo com o seu Deus.

Em uma das histórias mais épicas do Antigo Testamento, o patriarca Abraão recebe a ordem de levar seu filho, Isaque, ao monte Moriá e ali o oferecesse como sacrifício a Deus.

“Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi.” (Gênesis 22:2).

Que carga foi posta sobre Abraão! Não podemos nem imaginar a tristeza que encheu o coração do velho homem e a tortura que cada passo da viagem trouxe. As Escrituras são cuidadosas em nos contar que ele foi ordenado a oferecer seu “filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas.” A especificação parece planejada para chamar nossa atenção e nos fazer pensar que há um significado oculto nessas palavras, além do que podemos enxergar.

No terceiro dia os dois chegaram ao lugar indicado, e o pai atou a seu amado filho, com suas próprias mãos. Finalmente, em submissão ao que deveria fazer, pôs sua mão sobre seu filho, “e tomou o cutelo para imolar o seu filho.” Nesse momento, a misericórdia e a graça de Deus se interpuseram, e a mão do ancião foi detida. Deus o chamou desde o céu e disse:

“Abraão, Abraão!... Não estendas a tua mão sobre o moço, e não lhe faças nada; porquanto agora sei que temes a Deus, e não me negaste o teu filho, o teu único filho.” (Gênesis 22:12).

À voz do Senhor, Abraão levantou os olhos e viu a um carneiro enroscado pelos chifres. Tomou o carneiro e o ofereceu em lugar de seu filho. E logo nomeou o lugar de YHWE-Jireh, ou “O SENHOR PROVERA.” É um dito fiel que permanece até o dia de hoje, “No monte do SENHOR se proverá.” (vers.14) Ao ver o encerramento desse momento épico na história, não somente Abraão, mas também todos os que já leram esse acontecimento dão um suspiro de alívio, que o jovem tenha sido poupado. Pensamos nós “que final lindo”, mas esse não era o fim, era simplesmente um intervalo.

Dois mil anos mais tarde, as cortinas voltam a se abrir. O fundo é escuro e sinistro. No centro do cenário está o Filho de Deus no monte, chamado Lugar da Caveira. Ele está atado pela obediência a vontade de seu Pai. Ele está pendurado levando o pecado de Seu povo. Ele é maldito – traído por sua criação e desamparado por Deus. Então, o silêncio é rasgado com o horrível estrondo da ira de Deus. O pai toma o cutelo, levanta o braço, e sacrifica a “teu filho, único filho, a quem amas,” e as palavras do profeta Isaías são cumpridas:

“Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados... Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e o bom prazer do SENHOR prosperará na sua mão”. (Isaías 53:4,5,10)

É uma injustiça ao Calvário que a verdadeira dor da cruz frequentemente é floriada por uma visão romântica e menos poderosa. Frequente se pensa e se prega que o Pai olhou desde o céu e testemunhou o sofrimento que era acumulado sobre Seu Filho por mãos humanas, e que Ele contou tal aflição como pagamento pelos nossos pecados. Isso é heresia da pior classe. Cristo satisfez a justiça divina não somente suportando a aflição dos homens, mas suportando e morrendo sob a ira de Deus. É necessário mais que cruzes, coroas de espinhos, cravos e lanças, para pagar pelo pecado. O crente é salvo não só pelo que os homens fizeram a Cristo na cruz, mas pelo que Deus fez a Ele – Ele o moeu sob toda a força de Sua ira contra nós. Raramente essa verdade se faz suficientemente clara em nossa pregação do evangelho!
A cortina se fecha com um Filho sacrificado e um Messias crucificado. Diferente de Isaque, não havia carneiro que morresse em Seu lugar. Ele era o cordeiro que morreria pelos pecados do mundo. Ele é a provisão de Deus para a redenção de Seu povo. Ele é o cumprimento daquilo que o carneiro e Isaque eram somente sombras. Nele o monte do Calvário é renomeado YHWE-Jireh, ou “O SENHOR PROVERA”. É um palavra fiel até o dia de hoje que “No monte do Senhor se proverá.” O Calvário era o monte e a salvação foi providenciada. Assim, o crente discernente clama “Deus, Deus, sei que me amas já que não recusaste nem a teu filho, teu único filho.”

Equipe Apologética
Admin

Mensagens : 148
Pontos : 426
Data de inscrição : 11/11/2011
Localização : RUA CORONEL XAVIER DE TOLEDO, 65 - LOJA 8D - CENTRO - SÃO PAULO

Ver perfil do usuário http://www.forumevangelico.org

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum